O seu dia começa aqui

Justiça absolve sobrinho que arrancou o coração da tia, mas determina internação

Lumar Costa da Silva é acusado de homicídio por motivo fútil, com emprego de modo cruel, dificultando a defesa da vítima.
Lumar Costa da Silva, de 28 anos, foi ouvido na delegacia da Polícia Civil em Sorriso — Foto: Portal Sorriso

A Segunda Vara Criminal de Sorriso absolveu Lumar Costa da Silva, homem acusado de arrancar o coração da própria tia, em 2 de julho de 2019. A decisão foi proferida com base no relatório de sanidade mental, na tarde desta sexta-feira (24), pelo juiz Anderson Candiotto.

Apesar de estar livre da prisão, o magistrado determinou que Lumar fique internado para tratar do seu problema psiquiátrico, já que apresenta risco à sociedade.

“Visto que o comportamento do acusado, portador de Transtorno Afetivo Bipolar Tipo I (CID10: F31), sendo claramente um perigo a terceiros, razão, inclusive, para que a internação seja determinada cautelarmente”, disse o juiz na decisão.

Como medida de segurança, o juiz determinou que Lumar fique internado em hospital de custódia e faça tratamento psiquiátrico por prazo indeterminado.

Lumar poderá recorrer da decisão, mas não poderá aguardar em liberdade.

 

O CRIME

O sobrinho tinha se mudado para Mato Grosso há quatro dias depois de tentar matar a mãe dele em Campinas, São Paulo. O delegado, à época, André Ribeiro, classificou rapaz como ‘repugnante, monstro e perturbado’.

De acordo com a Polícia Civil, Lumar chegou a Mato Grosso para morar com a tia. No mesmo dia o rapaz entregou currículos na cidade. A família dizia que ele é considerado uma pessoa inteligente.

Lumar era usuário de drogas e começou a usar entorpecente na casa da tia. Religiosa, a vítima se sentia incomodada. A família arranjou uma quitinete para ele e o rapaz se mudou da casa.

Em depoimento na Polícia Civil, ao sair da delegacia, o rapaz afirmou à imprensa que ouviu ‘vozes’ que o orientaram a cometer o crime. A tia foi assassinada cruelmente e teve o coração arrancado. O órgão ainda foi levado para a filha da vítima.

Maria Zélia da Silva, de 55 anos, foi assassinada em Sorriso — Foto: Arquivo pessoal

Lumar, em depoimento, disse não estar arrependido.

Oito dias depois ele foi transferido para a Penitenciária Osvaldo Florentino Leite em Sinop. Durante a transferência, o rapaz foi flagrado por um agente tentando enforcar outro preso dentro do camburão.